Caetano Veloso & Jorge Mautner – Eu Não Peço Desculpa [2002]

“Eu Não Peço Desculpa” é um álbum musical lançado em 2002 pelos artistas Caetano Veloso e Jorge Mautner.

O disco foi o vencedor do Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira em 2003.

As risadas e os sustos que as conversas com Mautner sempre provocam, excitaram minha imaginação de modo especial nos encontros que tivemos, entre outubro e dezembro de 2001, o que me levou a desejar fazer um disco em colaboração com ele. A amizade que mantemos desde que nos vimos pela primeira vez, em Londres, no começo da década de 1970, é e foi sempre muito importante para mim. Mas nunca tive tão clara em minha mente a pergunta sobre minha verdadeira ambição quanto durante esses papos mais recentes: certamente o que ambiciono não é a fama e menos ainda a riqueza “material”; será a poesia?, a política? ou… a profecia? Foi essa hipótese da ambição profética que me levou a propor a Mautner o disco conjunto. Porque Jorge é uma improvável mistura de paganista com profeta de Israel. Daí é que vem o fascínio que sua curiosa personalidade paraliterária, paramusical, e parapolítica (sua instigante personalidade tout court) exerce sobre mim. Sem dúvida, é dessa combinação que vieram suas inclinações de adolescência para liderar movimentos com características quase fascistas, o que, paradoxalmente(?), o levou aos altos círculos do Partido Comunista e, sobretudo, à produção de um romance assombrosamente forte chamado “Deus da Chuva e da Morte”. A experiência, na extrema juventude, de debruçar a imaginação mítica sobre informações secretas da política pesada deu-lhe uma visão única (e mais contraditória na aparência do que na realidade) de como se joga com o poder no mundo. Uma visão que ele não cansa de reconstruir, me virar, atualizar.

Os terríveis acontecimentos de 11 de setembro de 2001, envolvendo Nova Iorque, cidade amada por ele e por mim, e repercutindo na situação de Israel, país que adoramos, e no vasto Islã, que nos fascina e nos remete à pergunta pelo destino da idéia central do povo Judeu, o Monoteísmo, nos levaram a conversas sobre o mundo, o Brasil, a vida dos homens. Nessas conversas, às vezes eu sentia medo. Pois bem: foi para espantar o medo que decidi pedir a Jorge que deixássemos tudo desaguar em canções. Depois de vê-lo, no carnaval de 2002, em Salvador, cantar o “Hino do Carnaval Brasileiro”, num trio elétrico, em meio a um verão singularmente amargo para mim, entendi que o disco teria que ser feito logo que eu voltasse para o Rio. As canções que fizemos não lembram ou ilustram essas conversas de que falei. São, em geral, canções pop-paródicas: elas exibem o distanciamento que Mautner mantém em sua permanente metamorfose apaixonada. Fazem rir e podem fazer chorar. Algumas eu fiz sozinho, mas não as teria feito se não fosse para um disco com Jorge Mautner.

Tudo no disco tem a ver com o clima dele ­ ou com o clima a que ele me transporta. Hipertropicalista, porque tropicalista avant la lettre, Mautner não pode conceber o que venha a ser uma necessidade de criar-se o antitropicalismo (uma necessidade genuína que muita gente mais jovem confessa sentir ­ o que não deve ser confundido com as, talvez, mais freqüentes manifestações de mesquinhos desejos de substituição de celebridades): ele reanima as motivações elementares daquele movimento, que são, afinal, as mesmas que movem seus principais líderes: eis por que Gil foi chamado para cantar conosco o meu “Feitiço” (uma resposta ao “Feitiço da Vila” de Noel) e para pôr música nos versos de “Coisa Assassina”, de Mautner. É não apenas o Gil tropicalista que está ali: é o Gil que excursionou com Mautner nos anos 1980 com o show “O Poeta e o Esfomeado”. Mas Mautner é hipertropicalista também porque ele não foi, à época do movimento, um tropicalista: estes eram bossanovistas que se subvertiam; Mautner era, tal como Raul Seixas, um amante do rock’n’roll e das baladas country norte-americanas (além dos samba-canções de Adelino Moreira) que exibia (até no texto de seus primeiros livros) desprezo pela bossa nova. De fato, ao gravar com ele “Todo Errado” (de onde, afinal, saiu o título do disco), pensei muito em Raul e nas coisas da letra de “Rock’n’Raul”. Assim, Eu Não Peço Desculpa é também uma continuação de “Rock’n’Raul”, essa canção que me parece tão grandiosa quão mal compreendida.

Gravei “Lágrimas Negras” e o “Maracatu Atômico” porque acho esta uma obra-prima obrigatória e aquela uma das mais belas canções sobre a tristeza já feitas. E porque queria pontuar o disco com lembretes do peso da obra de Jorge. Pedi a ele que escolhesse algo meu para regravar: ele chegou ao estúdio com essa “Cajuína” que ele acreditava ser puramente nordestina e se revelou tão eslava em sua voz e em seu violino que, Kassin, que produziu o disco comigo (ou para mim), resolveu adicionar palmas e um fole (que às vezes toca uma terça menor em choque com a terça maior de um acorde recorrente). Sem Kassin, aliás, esse disco não seria o que é. Kassin, que conheci através de Moreno ­ que, por sua vez, o conheceu por intermédio de Pedro Sá ­ é um talento imenso e muito peculiar. Totalmente do mundo dos novos mini-estúdios com pro-tools, informadíssimo, inspiradíssimo, ele tem tão pouco medo do ridículo quanto Mautner ­ e a mesma capacidade de estar sempre roçando a paródia. Tem também um suingue inacreditável. Seu baixo bate no tempo de modo tão gostoso e moderno (sem fazer sotaque de baixista suingado de jazz-fusion) que parece que não tem ninguém tocando, que é o próprio tempo dizendo-se, sem um ego chato para atrapalhar. Pedro Sá, Davi, Domênico, Moreno e outros músicos convidados entravam e saíam da sala minúscula do estúdio.

Nelson Jacobina estava sempre lá: o grande Nelson, o Carneirinho, principal parceiro de Jorge (não só o mais freqüente como também co-autor das obras-primas). Fabiano, pilotando, só transmitia tranqüilidade, doçura e segurança. Tarta, quase que só doçura. Havia também uma foto da Luana Piovani pregada na porta, do lado de dentro do estúdio. Dizíamos que ela era a nossa padroeira: ela foi a madrinha da bateria do nosso samba. Um dia eu a levei lá. Em carne e osso. Parecia uma visão irreal. Ela ficou até o fim da sessão. Todos os rapazes ficaram extasiados. Ninguém se recuperou ainda direito. Quem canta seus males espanta. Este disco é para a gente atravessar esses tempos de homens-bomba, especulação globalizada, dengue e insegurança. Com a ajuda da lua de Jorge ­ e das Luanas ­ chegaremos vivos a um outro ambiente.

Caetano Veloso no Release do disco “Eu não peço desculpa”, em 2002
Capa do álbum "Eu Não Peço Desculpa", de Caetano Veloso & Jorge Mautner, lançado em 2002
Caetano Veloso & Jorge Mautner – Eu Não Peço Desculpa [2002]
  • Artistas: Caetano Veloso & Jorge Mautner
  • Álbum: Eu Não Peço Desculpa
  • Ano: 2002
  • Gêneros: MPB
  • Duração: 00:51:43
  • Qualidade: 320 Kbps
  • Tamanho: 119 MB
  • Gravadora: Universal Music

Lista de músicas

  1. Todo errado (Jorge Mautner)
  2. Feitiço (Caetano Veloso)
  3. Manjar de reis (Jorge Mautner / Nelson Jacobina)
  4. Tarado (Caetano Veloso / Jorge Mautner)
  5. Maracatu atômico (Jorge Mautner / Nelson Jacobina)
  6. O namorado / Urge Dracon (Caetano Veloso / Jorge Mautner)
  7. Coisa assassina (Gilberto Gil / Jorge Mautner)
  8. Homem bomba (Caetano Veloso / Jorge Mautner)
  9. Lágrimas negras / Doidão (Jorge Mautner / Nelson Jacobina)
  10. Morre-se assim (Jorge Mautner / Nelson Jacobina)
  11. Graça Divina (Caetano Veloso / Jorge Mautner)
  12. Cajuína (Caetano Veloso)
  13. Voa, voa, perereca (Sergio Amado)
  14. Hino do Carnaval Brasileiro (Lamartine Babo)

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *